Toda a gente pensa, mas nem sempre diz aquilo que pensa. Aqui, pode fazê-lo, sem censuras, etiquetas, ou qualquer outra iníbição.
.Pensamentos do dia

. De facto... Até parece me...

. ...

. A dupla personalidade

. ...

. O cozinheiro..

. "Porque no te Callas!"

. ...

. Motivações

. Medos vs Receios

. TEMPO......

.Pensamentos anteriores

. Maio 2008

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

Visitar um blog e sair sem comentar, é como visitar uma pessoa e ir embora sem se despedir
Terça-feira, 22 de Maio de 2007
.....

 

 

Há uns dias atrás alguém que amo e que prezo muito, me disse para parar e pensar na minha vida... Disse-me para ir para o pé da praia e ouvir o mar... foi isso que fiz ontém.. Tive um espaço ao fim da tarde/noite, e aproveitei para ir para um sítio que já frequentava a algum tempo, mas que entretanto deixei de frequentar, talvês por falta de tempo, talvês por desinteresse ou talvês ainda, por não me lembrar do quão bom que é, de vez em quando, olhar-mos o mar e perder-mo-nos na sua imensidão....

 

Ontém ao fim da tarde/noite, estava frio... decidi na mesma abeirar-me do parapeito da Capela, ali, onde o mar se junta com a orla marítima, bate forte nas rochas, onde se sente o poder da força da água... durante os vinte minutos que lá estive passaram um turbilhão de ideias pela minha cabeça, mesmo aquelas mais, ou menos, como quiserem, improváveis...

 

Ontém estava com demasiada tensão acumulada... Situações da vida a isso obrigam... Estava com demasiado stress acumulado, dava para sentir na minha respiração, na minha maneira de estar, na mimnha maneira de falar. dirigi-me ao mar, fechei os olhos e gritei... gritei... gritei... senti o mar mais forte, a bater nas rochas com mais intensidade, com mais força, cada vez mais agitado, á medida dos meus dasabafos selvagens... Não abri os olhos durante uns cinco minutos, tempo que durou a minha extrapolação de sensações, sentimentos contraditórios... dizem que a vida não nos pertence, que o destino está traçado, cabe-nos a nós fazer com que seja diferente... se o conseguir-mos.. Naqueles vinte minutos em que estive na Capela, senti que a vida era minha, por um momento, ninguém a comandava, ninguém me diz o que fazer, ninguém me censura...

 

 Á medida, que os meus gritos baixavam de intensidade, a maré acalmava... senti que, com ela, alguns dos meus problemas foram-se, algumas das minhas preocupações deixaram de existir... fiquei mais leve, mais limpo... e abandonei a Capela, com a sensação de ter renascido, de ser novo... Vamos ver até quando....

Pensado por Johnny às 10:57
link do post | Diga o que pensa | favorito
.mais sobre mim
.tags

. todas as tags

.links
.pesquisar
 
.Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds